Porto/Post/Doc 2015: um balanço

por Porto/Post/Doc / 12 12 2015


2.º Porto/Post/Doc – Um passo em direção ao futuro

Terminou no dia 8 de dezembro o segundo Porto/Post/Doc. Durante oito dias, os três diferentes espaços do festival –Teatro Municipal Rivoli, Cinema Passos Manuel e Maus Hábitos – encheram-se de um público ávido e curioso por conhecer o novo cinema contemporâneo. Foram oito dias de intensa atividade: sessões de cinema, exposições, debates e festas, sempre repletas de uma público jovem. A edição deste ano privilegiou esse público com a criação da secção Teenage, especialmente dedicada a filmes que tomam a adolescência como tema central. A aposta do festival foi, portanto, uma aposta no futuro, com a criação de uma comunidade interessada por ver um cinema desafiante e empenhado no que se passa no mundo, e que possa igualmente ser um contraponto ao cinema mais comercial.

O 2.º Porto/Post/Doc foi também um sucesso de público, suplantando os números da primeira edição: atingimos, este ano, cerca de 8000 espectadores, com uma média de 135 espectadores por sessão. São números que nos orgulham e que confirmam uma estratégia de longo prazo: a criação de um público que se interesse pelo cinema documental e pelo cinema contemporâneo na cidade do Porto.

Esta edição foi também um fórum profissional alargado, com a presença de mais de 160 convidados acreditados de mais de uma dezena de diferentes nacionalidades, entre realizadores e produtores dos filmes, programadores de vários festivais internacionais e imprensa, com destaque para a presença de alguns dos mais revelantes títulos da imprensa especializada.

A boa recepção generalizada que o festival teve – tanto do público como dos nossos convidados – faz-nos crer que a nossa programação esteve ao nível do que nos exigem: a de um festival de cinema de nível internacional. Esta satisfação do público e dos nossos convidados é também resultado da boa relação do festival com a cidade: a efervescência cultural do Porto permite-nos participar de um movimento maior de interesse pela cultura e pelo conhecimento.

Provamos também ser possível chamar distintos públicos, com as nossas diferentes secções: Transmission para os melómanos; Doc is the New Black para os amantes da moda; Cinema Falado e Cinefiesta para aqueles que gostam de ver a diversidade cultural do espaço ibérico. Também a Competição – a nossa secção maior – foi elogiada pelo seu equilibro, entre títulos de geografias diversas, mas também de tratamentos formais muito diferentes. O grande vencedor da competição foi “Behemoth”, de Zhao Liang, com o Grande Prémio Porto/Post/Doc, mas também com o prémio Teenage (um galardão atribuído pela primeira vez por um grupo de estudantes). “Coming of Age” provou que a nossa seleção estava bem apetrechada de novos valores do cinema documental (o filme venceu o prémio de artista emergente). Finalmente, “Exotica, Erotica, Etc.” recebeu uma menção honrosa.

Os nossos três focos em realizadores de cinema documental (Lionel Rogosin, Thom Andersen e Chantal Akerman) foram sucessos de audiência, sobretudo jovem, que participou da descoberta destes autores decisivos da história do cinema. O Fórum do Real – plataforma de debate sobre o novo cinema documental – foi muito participada nos seus três painéis, com mais de duzentos participantes durante o seu dia de duração. Foi um debate intenso e importante para o que pensamos sobre o cinema documental.

Outros dos momentos altos da nossa programação foram as atividades do School Trip, e muito em especial a exibição de filmes da Escola Secundária Soares dos Reis, realizados em parceria com o festival. Foi um momento em que percebemos que há um futuro para o cinema feito no Porto. Por falar nesse cinema, o festival exibiu também dois documentários recentes sobre os bairros da cidade, com um sucesso considerável, que incluiu mesmo uma performance do coletivo Oupa. O Porto/Post/Doc orgulha-se desta ligação à cidade e aos seus movimentos sociais.

A segunda edição do festival permitiu, portanto, perceber que conseguimos dar um passo em frente: mais público, melhor programação e uma recepção entusiástica aos filmes que mostramos. Achamos que estamos no bom caminho: o da criação de uma comunidade de públicos que partilha o interesse por ver um cinema novo e desafiante. Esta é uma aposta que não se encerra aqui: é um trabalho que tem que ser continuado nos próximos anos, nas próximas edições do festival e nas sessões regulares que promovemos ao longo do ano.

O terceiro Porto/Post/Doc chegará ao Porto de 26 de novembro a 4 de dezembro, de novos nos mesmos espaços: Teatro Municipal Rivoli, Cinema Passos Manuel e Maus Hábitos.


Tags:
Partilhar: Facebook / Google+ / Twitter
← Notícia anterior Próxima notícia →